quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Os primeiros dias na nova casa

Desde que a Safira chegou, eu e o Nuno temos dispendido todas as nossas energias nela. Ela está a demonstrar aos poucos a sua personalidade e à medida que se adapta à sua nova vida, vai ganhando confiança.

Todos os dias a temos levado à rua várias vezes. Nos 2 primeiros dias levei-a em alturas menos agitadas e em passeios mais curtos. Descobrimos que a Safira não gosta de relva e recusa-se a aceitar qualquer tipo de petisco quando está na rua. Também descobrimos que tem medo de várias coisas e se acanha quando não conhece.

Não estamos minimamente preocupados com isso. Ela apenas precisa de reaver a sua auto-confiança e é nisso que estamos a trabalhar. Como tal passeios curtos e usando sempre a mesma rota, para que se torne um hábito.


Ontem de tarde levei-a a um sítio novo, a um jardim que há no cimo da avenida perto de uma escola. Ela portou-se que nem uma valente, meio reticente e sempre a olhar para mim, para certificar-se que eu não fugia e lá chegamos. Pelo caminho encontramos muitas pessoas, crianças e outros cães. Ela demonstrou a natureza dela, esticando as orelhas às crianças que lhe achavam uma piadão, abanando o rabito aos adultos e ignorando os outros cães.


Com os outros cães, a Safira demonstra ser um autêntico às em decifrar as suas itenções.


Um labrador que estava do outro lado da rua, pronto para atravessar para o nosso lado, estava a ser totalmente ignorado. Quando nos aproximamos percebi porquê, ele atirou-se à Safira, com jeitos trapalhões e pouco amigáveis. Mantive a trela sempre frouxa e não me exaltei, não quero que a Safira se sinta mais nervosa por causa das minhas reacções.


Não me afasto dos outros cães, e deixo que ela vá dizer "olá" ao jeito canino, de cheirar rabiosques. Aqui trata-se de ensinar à Safira que eu dou-lhe o que ela quer (deixo-a dizer olá aos outros cães) se ela me der o que eu quero (depois de dizer olá, eu digo vamos e ela nem hesita em prosseguir caminho).


Já perto de casa encontramos dois cães sem trela que vieram direitos à Safira. Eu não evitei que eles se aproximassem, primeiro porque sabia que não havia perigo (anos a observar linguagem canina) e depois porque eram os outros que estavam soltos e não a Safira.


O primeiro foi uma brincadeira pegada, desataram os dois aos pinotes e a fazer vénias de brincadeira. A dona do cão, estava especada a olhar, ao fim de alguns minutos, disse "vamos" e a Safira prontamente deixou e prosseguiu caminho. Estamos no bom caminho! O segundo um castanho pequenito leu as notícias do dia no rabiosque dela e continuaram satisfeitos.


É preciso saber que estamos sempre a treinar os nossos cães, eles estão constantemente a aprender connosco, mesmo quando fazemos coisas básicas e curriqueiras como passear na rua.

Quando chegamos a casa, fui para a cozinha com ela, e cortei um bocadinhos de queijo (descobrimos que ela adora queijo) e comecei a dar-lhe, passados nem 1 mnt chegou o Jaime (que adora queijo... pronto ele adora comer, qualquer coisa serve).

Ao início o Jaime colocou-se em cima da mesa. Mas eu desta vez "subi a barra" e exigi mais de todos. Se o Jaime queria o pedaço de queijo dele, teria que sair de cima da mesa. Nem 1 mnt demorou e já estava sentado ao lado da Safira. Parecia o elefante e a pulga. A única coisa que os interessava era o queijo na minha mão, as maravilhas da desensitização a funcionar à plena vista.

Depois de 5 mnts disto, levei-a para o escritório, onde ela passa a maioria do tempo (e nós também) e dei-lhe um Dentastix. Ela roeu aquilo tudo em 30 segundos e adormeceu. Eu continuei o meu trabalho e só parei para pôr a música mais alto porque nem ouvia nada com os roncos dela.


Á noite o Nuno chega do trabalho e dá-lhe kilos de mimos, deita-se no sofá da Safira e lambusam-se os dois. É realmente um ritual. Depois enquanto faço o jantar, o Nuno leva-a para a minha beira na cozinha faz um pouco de treino de clicker com ela.


O senta e o deita são os primeiros comandos que estamos a ensinar. Ela já deita sem comida na mão e já senta direitinho em várias ocasiões. Também já a ensinamos a palavra espera, para que ela fique à espera quando colocamos a trela, quando abrimos a porta para sair e antes de atravessar na passadeira. Até agora ela está a aprender bem e rápido e a confiança dela vai subindo aos poucos.

Hoje vamos passar o ano com ela, em grande e depois manda-mos mais notícias!

Lambidelas a todos da Safira

9 comentários:

Just Agility disse...

As historias da Safira .. são para continuar ...pleaseeeeeeeeeeee :)

Tucha Maria disse...

Adorei este testemunho que nos deu acerca dos dias da princesa. Claro que vamos continuar a querer mais e mais. Ah! e a foto está deliciosa - a miuda é uma beijoqueira e porta-se melhor que a minha pulga a pilhas - eu sei que a culpa é minha...
Um grande beijo para a safira

nadea disse...

Linda Safirocas.. porta-te bem!! :D
Ainda bem que te estás a adaptar bem, com calminha, mas bem!
Bom ano para ti querida, bem como para a Cláudia, Nuno, Jaime e Sofia!

Filomena disse...

Que delícia.. o público quer que as histórias da Safira continuem!

Meninha*

Alice no País das Maravilhas disse...

Não foi a toa que o destino juntos vocês com Safira e Safira conosco
Ótimas histórias, desejo muitas felicidades
bj bj bj

disse...

Safirocas.. Ja tenho saudades das vezes que te ia visitar..! *.*
Mas o que interessa e que tas feliz..
E continuas muito brincalhona =P
Porta'te bem, e nao des trabalho ao Nuno e a Claudia ^^
Bom ano para voces! =D

Bjoo*
Joana Cirilo

carlota disse...

Nao imaginam a alegria que senti ao ver este diario da Safirocas...tá linda de morrer... A Nádia fez um trabalho BRILHANTE e voces estão a continua-lo...obrigada por serem pessoas tão maravilhosas.

Bjinhos da Carla, Sasha, Becas e do primo Ruca :)

dovska disse...

É uma alegria ler estes relatos do dia da Safira =)

AV disse...

Comovente até chorei. Fiquei muito feliz pela Safira. Tudo de bom para este amor. Feliçidades para os donos.